A Revolta Dos “macacos”

O episódio da prisão de Desabato, jogador do time argentino Quilmes, é uma história digna de nota. O fato trará uma repercussão internacional a um problema recente no futebol mundial: o racismo. A reação dignamente exemplar do delegado do GARRA, Osvaldo Gonçalves, pode ser considerada como um pedido de basta a essa atitude vergonhosa de jogadores e torcedores no mundo todo. É um absurdo tratar com repúdio a uma raça que tanto contribuiu para tornar o futebol um esporte tão popular e apaixonante, a começar por Pelé, que não é considerado o atleta do século a toa.Ao chamar Grafite de macaco, Desabato não apenas ofendeu o jogador. Ele ofendeu a raça negra e a população brasileira por uma atitude tão indigna e agressiva. Atitude de um povo racista, o argentino, que não soube aceitar a convivência pacífica com povos de outras raças assim como o nosso povo. Por isso nos chamam de “macacos”, pois consideram-nos como um povo inferior. E com esse mesmo “complexo de superioridade”, que eles agora se opõem à entrada do Brasil a uma vaga permanente no Conselho de segurança da ONU, alegando que isto iria comprometer a unidade da Região. Convenhamos: a Argentina é a nação que está promovendo os maiores entraves para a consolidação do Mercosul e com essa atitude, comprova que está agindo hipócritamente e com má fé em relação ao Brasil.Por isso era de imaginar que um argentino cometeria uma atitude tão infame quanto essa. Porém não se esperava uma reação a altura de tamanho disparate. A prisão de Desabato é um exemplo ao futebol, pois o jogador deve dar o exemplo. Se não o faz, deve ser punido, de uma forma ou de outra. Que os europeus vejam este ato, não como um barraco sul-americano, mas como um exemplo a ser seguido pelas autoridades civis em relação ao futebol.

Autor: Kazzttor

André Arruda dos Santos Silva, ou Kazzttor, é paulistano. Oriundo de família humilde, mas trabalhadora, viveu seus primeiros anos de sua infância no bairro do Ipiranga, cidade de São Paulo, e em seguida, mudou-se com sua família para Diadema, município vizinho, onde vive até hoje. Ativista, blogueiro, professor de informática, amante de tecnologia, esportes e artes, André procura em suas manifestações intelectuais escritas em seus blogs ou nas organizações as quais faz parte, mostrar um jeito mais humano, irreverente e diferente de ver e entender o mundo. Atualmente é universitário, bancário, participante de atividades sindicais, políticas e ideológicas, sempre tendo como objetivo buscar nos princípios éticos e de respeito mútuo a chave de uma sociedade mais harmônica e humanamente sustentável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s