Palavras A Dizer E Não Dizer

(artigo publicado no meu blog de causos como professor: http://professorandrearruda.wordpress.com/2010/08/14/palavras-a-dizer-e-nao-dizer/)

Bem, amigos, mais um causo para vocês. Aconteceu hoje na escola que durante uma conversa informal no intervalo das aulas, um colega emitiu uma infeliz afirmação sobre os alunos que faltaram hoje: disse que iria f*der com eles, pois iria aplicar prova. Uma das alunas, indignada, foi reclamar com a direção da escola. E com razão, pois isto não é coisa que se diga sobre seus alunos, que não podiam se defender dessas palavras, por estarem ausentes, fato semelhante ao artigo anterior, só que, desta vez, com papeis trocados.

A palavra é muito mais feroz que a ação. Pois é fácil de ser dita e torna pública a intenção, a opinião, o pensamento e a conduta de quem o diz. Mesmo em tom jocoso, a palavra revela, nas entrelinhas e no contexto, a personalidade de uma pessoa. Medir as palavras de acordo com o ambiente em que se encontra é um sinal de maturidade e de bom senso, pois muitos foram sumariamente punidos por palavras impróprias em lugares impróprios. É claro que um erro desta natureza, se cometido por ingenuidade, como foi o caso de nosso colega, não precisa mais do que uma séria reprimenda para que tenha a consciência do erro que cometeu.

É importante ter a idéia do que se diz. Palavras são palavras, mas ferem mais ferozmente do que qualquer arma. A caneta é mais forte do que a espada, disse Voltaire, e isto é uma grande verdade. Pois a verdade deve sempre ser dita, mas certas “verdades” não.

Neste episódio também vemos uma falta de compromisso e cumplicidade entre os corpos docente e discente. São freqüentes os atritos entre alunos e professores e, nas minhas aulas, convivo com isso freqüentemente. O fato de o curso ser pago não implica em que o aluno possa fazer o que quiser na aula e ainda assim, ser adulado pelo professor. O respeito deve existir e deve ser uma estrada de mão-dupla: deve ser mútuo e recíproco. Muitos jovens e alguns adultos consideram que o fator financeiro é motivo para uma relação de subserviência por parte do professor aos alunos, pois o confundem com respeito, o que é errado. Respeito não é submissão e sim compromisso.

Por fim, um conselho: guarde as palavras para si, reflite-as, e somente fale se estiver no local certo e no momento certo de dizer. Assim evita-se transtornos e constrangimentos com declarações infelizes.

Autor: Kazzttor

André Arruda dos Santos Silva, ou Kazzttor, é paulistano. Oriundo de família humilde, mas trabalhadora, viveu seus primeiros anos de sua infância no bairro do Ipiranga, cidade de São Paulo, e em seguida, mudou-se com sua família para Diadema, município vizinho, onde vive até hoje. Ativista, blogueiro, professor de informática, amante de tecnologia, esportes e artes, André procura em suas manifestações intelectuais escritas em seus blogs ou nas organizações as quais faz parte, mostrar um jeito mais humano, irreverente e diferente de ver e entender o mundo. Atualmente é universitário, bancário, participante de atividades sindicais, políticas e ideológicas, sempre tendo como objetivo buscar nos princípios éticos e de respeito mútuo a chave de uma sociedade mais harmônica e humanamente sustentável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s