Pensamentos de minhas andanças

André Arruda, enquanto caminhava, faz uma reflexão sobre o hábito de caminhar que realiza.

Uma das lembranças mais remotas de minha infância era quando minha mãe me incentivava a andar dizendo “Dandá pra ganhá tentém” que significa andar pra que nasçam os dentes. Talvez seja por essa razão que tenha o costume de realizar longas caminhadas ou de fazer boa parte de meus deslocamentos a pé.

Tanto que estabeleci um compromisso de caminhar diariamente no mínimo 12.000 passos, ou aproximadamente 8,5 km de andanças. Segundo a OMS, 10.000 passos diários são suficientes para dizer que essa pessoa é fisicamente ativa.

Eu desde adolescente costumo caminhar bastante. Eu fazia duas, três e até quatro voltas pelo bairro, que quando eu as refaço com o pedômetro do meu relógio, dão um percurso aproximado de 4 km. Entre minhas andanças, eu via a paisagem, os locais, e mesmo o abandono de locais públicos de esportes, que poderiam servir para manter pessoas de todas as idades em plena atividade física.

Nem vou citar os benefícios de um hábito de não ficar parado, pois são tantos estudos que comprovam isso, que uma rápida pesquisa no Google lhe dará a motivação necessária pra pular da cadeira.

Mas quero voltar a falar das minhas andanças. Eu quando pequeno, era chamado de Bubu. Mas não era um apelido tão carinhoso. Era uma redução da palavra “butijão“, pois quando era pequeno, era gordinho e parecia um botijão de gás. Naquele tempo, era comum esse tipo de ‘piada’, que hoje podemos ver como bullying, ou como algo ofensivo. Naquele tempo, você não poderia ser gordo pelos riscos a saúde, mas sim porque era feio e ridículo.

Hoje sabemos dos riscos da obesidade, mas da excessiva. Uma pessoa com obesidade leve pode viver uma vida normal, sem neuras. Pode praticar esportes, pode namorar, pode ser querido e amado por todos, e principalmente ser respeitado.

Podemos viver em plenitude, curtindo as andanças e gozando uma qualidade de vida melhor. Enquanto escrevia isso eu fiz mais uma caminhada, e hoje já fiz mais de 6.000 passos, percorrendo mais de 4 km. E ainda é meio-dia.

Autor: Kazzttor

André Arruda dos Santos Silva, ou Kazzttor, é paulistano. Oriundo de família humilde, mas trabalhadora, viveu seus primeiros anos de sua infância no bairro do Ipiranga, cidade de São Paulo, e em seguida, mudou-se com sua família para Diadema, município vizinho, onde vive até hoje. Ativista, blogueiro, professor de informática, amante de tecnologia, esportes e artes, André procura em suas manifestações intelectuais escritas em seus blogs ou nas organizações as quais faz parte, mostrar um jeito mais humano, irreverente e diferente de ver e entender o mundo. Atualmente é universitário, bancário, participante de atividades sindicais, políticas e ideológicas, sempre tendo como objetivo buscar nos princípios éticos e de respeito mútuo a chave de uma sociedade mais harmônica e humanamente sustentável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s