Tome que essa carniça é sua

Extraído de https://kazzttor.blogspot.com.br/2017/08/tome-que-essa-carnica-e-sua.html

As manifestações neonazistas e supremacistas ocorridas na cidade de Charlottesville nos Estados Unidos trouxeram ao Brasil, além das reações de condenação a estes atos, um insano debate.

Tudo porque um procurador da república, em seu Twitter, declarou que o nazismo era um movimento de esquerda, e as reações de militantes de esquerda foram raivosas. Inclusive nas publicações de militantes, havia menções argumentos do contrário, ou seja, que o nazismo era um movimento de direita. Acabei também participando de algumas discussões, mas um post que caiu no Facebook ajudou a buscar um esclarecimento sobre o que é realmente o nazismo (ou nazi-fascismo) em relação ao posicionamento político.

Mas para isso, é necessário revisitar a história. A primeira guerra mundial terminou em um Armistício (na verdade não é um acordo de paz, e sim um acordo formal onde as partes envolvidas concordam em parar de lutar, ou seja não é o fim de uma guerra), em que a Alemanha foi uma das principais derrotadas dessa guerra. Além de perder territórios, a Alemanha teve de arcar com uma pesada dívida de guerra, comprometendo sua economia. Por ser um país industrial, boa parte da receita do país era usada para o pagamento da dívida, o país enfrentou uma crise econômica e em 1923 teve uma hiperinflação em que os preços chegaram a subir entre 40 e 50 vezes, com excessiva emissão de papel-moeda e desvalorização vertiginosa do marco alemão.

Cédula de 50 bilhões de marcos alemães de 1923

A desvalorização era tamanha que as cédulas eram usadas como brinquedo para as crianças e após um plano de reavaliação monetária, as notas chegaram a ser usadas como papel de parede em estabelecimentos comerciais e bancários alemães.

Cédulas de marco alemão coladas como papel de parede

A crise econômica e a miséria ao qual a maioria dos trabalhadores alemães foi subjugado acabou se tornando o terreno fértil para o crescimento do nazismo. Como a classe média, militares e a classe trabalhadora alemães é quem sentiam os reflexos do Tratado de Versalhes (esse é o nome do documento após o armistício, que terminou a primeira guerra mundial), foi para eles o direcionamento do discurso do movimento nazista que emergia. O Nazismo, enquanto movimento político, surgiu com o partido nacional socialista dos trabalhadores alemães, que sucedeu o partido dos trabalhadores alemães. A figura de Adolf Hitler, foi a personificação do movimento, dotado de carisma, boa escrita e oratória.

Com o discurso voltado aos trabalhadores, o movimento nazista ganhou uma forte adesão, até o auge, quando Hitler se tornou Chanceler da Alemanha em 1933. O poder executivo alemão é dotado de um chefe de estado (o presidente) e um chefe de governo (o chanceler).

Colar sua imagem aos trabalhadores tinha duas finalidades: a primeira era atrair os trabalhadores para a causa nazista e a segunda é afastar o comunismo dos trabalhadores alemães. Tanto que comunistas também eram levados aos campos de concentração nazistas, além de serem alvos de perseguição.

Sabemos muito bem, que denominações partidárias, sobretudo no Brasil, não passam de mero formalismo. Mas no caso no partido nazista, tinham o propósito publicitário, ou seja, de se tornar atraentes a um público-alvo potencial, no caso, os trabalhadores alemães. Se analisarmos denominações partidárias brasileiras, como PSDB, PMDB, DEM, PTB, PP e outros, vemos que suas práticas não tem relação nenhuma com as denominações partidárias que ostentam em suas siglas. Um dos casos recentes mais emblemáticos é o do PMB, o partido da mulher brasileira, em que a todos os primeiros deputados filiados ao partido eram homens.

Há também um outro detalhe que diferencia nazismo de socialismo. O socialismo tem um caráter internacionalista enquanto o nazismo teve um caráter nacionalista, e até mesmo xenófobo. Se compararmos bem o socialismo atual, com o nazismo e o neonazismo atual, vemos também um outro caráter que põem estes dois movimentos em lados opostos. O socialismo atual é inclusivo e defensor de minorias, enquanto o neonazismo é favorável a segregação e até mesmo da eliminação de minorias, ou seja, uma postura excludente.

Segundo a maioria dos especialistas e até do próprio Adolf Hitler à época, o nazi-fascismo surgiu como uma terceira via do ponto de vista sócio-político-econômico, o qual Hitler definiu o nazismo como resultado de de um sincretismo político. Ou seja, nazismo não é, originalmente nem de direita ou de esquerda, mas podemos dizer que é um subproduto político de uma conjuntura política bastante conturbada, com a primeira guerra mundial, a revolução russa de 1917 e agravado pela crise de 1929. Isto gerou governos totalitários, como o de Mussolini na Itália, Salazar em Portugal, Franco na Espanha e outros. No Brasil, o Estado novo de Getúlio Vargas também recebeu influência do nazi-fascismo, com um estado totalitário, controle da imprensa e propaganda, nacionalismo e repressão política.

Hoje, muitos dos conceitos nazi-fascistas são disseminados em grupos de extrema direita, como o antissemitismo, homofobia, racismo, militarismo, xenofobia e disseminação de ódio.

As manifestações supremacistas em Charlottesville geraram protestos contrários por grupos antirracistas e houve confrontos. Mas o fato mais emblemático, foi o de um supremacista que atropelou um grupo de manifestantes antirracistas matando uma militante. A opinião pública mundial condenou os atos neonazistas e isto trouxe comoção internacional e reflexos na opinião pública no Brasil e no mundo. Foi um profundo revés à extrema-direita, representada pela vitória de Trump nos Estados Unidos, além outros movimentos de extrema-direita que emergem na Europa, como na França, Holanda, Itália, Hungria e Bélgica.

A direita brasileira reascendida após o impeachment de Dilma Rousseff, sobretudo a extrema-direita, via uma oportunidade de angariar mais poder, com o forte descontentamento da população brasileira com a política devido aos escândalos de corrupção, publicitariamente divulgados pela grande mídia com avidez e parcialidade. O que aconteceu em Charlottesville pode trazer consequências negativas às campanhas de direita e extrema direita, sobretudo os conservadores do PSC e a figura de Jair Bolsonaro, agora no nanico PEN. Os reflexos desse episódio podem acender um alerta, que não havia sido acionado na década de 1920, tidos como os anos loucos. O extremismo, xenofobia, racismo e homofobia, nacionalismo e fundamentalismo religioso são sintomas de uma sociedade doente e desigual. Ainda que haja alternativas para solução de uma sociedade global doente, todas essas alternativas passam pela política, pois foi a política que fez emergir ao poder lideranças que carregavam consigo lemas de rancor e ódio.

Também nos mostra um nível de polarização política ao pior estilo Fla-Flu, onde não são debatidos os assuntos de forma leal, e sim, como uma disputa infantil por território político. E para essa disputa, são usadas como armas boatos, manipulações dos fatos, meias-verdades, omissões de personagens ou destaque exagerado a outros, além de fatos propositalmente colocados ao mesmo tempo, para que um acoberte ou anule o outro. É o que podemos dizer, que vivemos na era da pós-verdade, onde a verdade é pouco importante, mas os fatos verídicos ou não, são armas para enfraquecer opositores.

Assim, vemos o neonazismo que perdeu a modéstia exalando o cheiro de carniça, a qual direita e esquerda se acusam mutuamente de ser o dono dela.


Referências

WIKIPEDIA. Hyperinflation in the Weimar Republic. (em inglês) Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Hyperinflation_in_the_Weimar_Republic Acesso em 19/08/2017

WIKIPÉDIA. Hiperinflação. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hiperinfla%C3%A7%C3%A3o Acesso em 19/08/2017.

WIKIPÉDIA. Partido da Mulher Brasileira. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Partido_da_Mulher_Brasileira Acesso em 19/08/2017

COSTA, Camila. O nazismo era um movimento de esquerda ou de direita? Disponível no site BBC Brasil: http://www.bbc.com/portuguese/salasocial-39809236 Acesso em 19/08/2017

WIKIPÉDIA. Estado Novo (Brasil). Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_Novo_(Brasil) Acesso em 19/08/2017

WIKIPÉDIA. Segunda Guerra Mundial. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Segunda_Guerra_Mundial Acesso em 19/08/2017

WIKIPÉDIA. Primeira Guerra Mundial. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Primeira_Guerra_Mundial Acesso em 19/08/2017

WIKIPÉDIA. Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Partido_Nacional_Socialista_dos_Trabalhadores_Alem%C3%A3es Acesso em 19/08/2017

WIKIPÉDIA. Armistício. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Armist%C3%ADcio Acesso em 19/08/2017

Síndrome de Borba Gato

Você conhece Borba Gato?

Borba Gato era um bandeirante. Desbravou São Paulo, mas às custas da morte de milhares de índios. Mesmo com este viés tirano e genocida, a história, por muito tempo, o aclamou como heroi. Esse personagem ilustra bem o sentimento que algumas pessoas, ao verem a vitória eleitoral de Dilma Rousseff, expressaram naquele momento.

São Paulo ainda guarda o berço de um narcisismo político oriundo da política café-com-leite. Muitos paulistas acreditam ainda que o estado é o carro-chefe do Brasil. O pensamento conservador do paulista, sobretudo nas urnas, pode ser considerado como consequência desta crença na liderança. São Paulo vê a posição hegemônica desvanecer e tenta, com todas as forças, defender essa posição. Este paradigma é observável pela postura arrogante de seus governantes. Age com truculência contra posições contrárias, mantém velhas práticas políticas reprováveis, busca a resolução dos problemas agindo sobre os efeitos, e não as causas, mantém uma conduta hipócrita quanto a corrupção, alimentam uma cultura nacionalista paulista, além de intervir no processo educacional, de modo que a educação seja apenas funcional e voltada para o mercado de trabalho. Por conta dessas práticas, não seria de se admirar o tamanho do apoio dado pelo estado a Aécio Neves, e a reação de muitos destes, de forma desrespeitosa e truculenta, ao resultado desta eleição. Ao apontar vergonha em relação ao resultado do pleito e ao hostilizar nordestinos e beneficiários do programa bolsa-família, evidencia-se a ignorância e o desrespeito ao próprio país.

Como o estado de São Paulo sempre ostentou ser um estado rico, a tola crença em creditar a derrota de seu candidato favorito às classes pobres beira a um fanático devaneio. Até porque muitos dos que hoje estes trucidam, ajudaram-os a construir a riqueza deste estado, sem contar que poderão ter o sangue nordestino correndo em suas veias, dada a  miscigenação. A mudança é que até a década de 1990, todas as políticas nacionais de desenvolvimento eram voltadas apenas para o centro-sul do país. Às regiões norte e nordeste, apenas programas assistencialistas, exceção à Zona Franca de Manaus. A visão de alguns especialistas é que, para que o Brasil tenha um ritmo de crescimento e desenvolvimento sustentável, seria preciso um projeto de âmbito nacional, e que contemplasse todas as localidades do país, concentrando ações em locais onde este desenvolvimento estivesse em condições de crítica carência. A balança regional brasileira precisava ser equilibrada. Após a estabilidade econômica, em 1994, já era possível buscar o equilíbrio regional, que ganhou um impulso maior com as últimas administrações. Daí o apoio à continuidade do governo, por parte das regiões que mais foram beneficiadas com estes programas. As regiões do centro-sul do país, que já possuíam um grau de desenvolvimento, viram esta busca pelo equilíbrio regional, como uma ameaça. Primeiro, porque aumenta a concorrência econômica, tanto na disputa por instalação de empresas, quanto na questão tributária. Depois porque a pujança de arrecadação tributária se reduziu sensivelmente, dada a concorrência interna com outras regiões quanto pela redução dos repasses de arrecadação de tributos federais para estes locais. Isto forçou estes estados a caminharem por dois viéses: ou o viés nacionalista e defensor do paradigma, ou o viés de busca de uma melhor eficiência gestora, com melhor organização dos recursos e desenvolvimento de uma gestão mais ágil, menos burocrática e mais efetiva. Ficou claro qual dos viéses foi escolhido. A estagnação dos estados do centro-sul não se deu pelo desenvolvimento dos estados do norte-nordeste, e sim, pela ausência de capacidade e competência de seus governantes em se adaptar a uma nova realidade integrada ao contexto nacional atual.

Tanto que alguns exaltados até defendem o separatismo: a separação das regiões do sul, com o norte-nordeste. Desde muito tempo, o Brasil vem sendo governado de forma segregada, com privilégios às regiões sul e sudeste do país. É perfeitamente compreensível, porém inaceitável, que quando se ensaia uma política integradora do país, quem sempre era privilegiado passe a agir com rancor, e desejar o retorno da velha norma.

Nas redes sociais, viram-se manifestações bastante condizentes com manifestações fascistas, onde a xenofobia, o nacionalismo regional e nacional, a defesa de paradigmas, a fé e o manifestações de ódio, com perseguição a grupos políticos e de origem regional ganham tônica. O que se viu a seguir foi uma reação a este pensamento, com a repreensão e condenação destes atos. O momento é delicado e exige-se razão, além de serenidade. Pois este processo eleitoral foi o mais intenso e acirrado da história da República Brasileira, e pode ser considerado um teste de estresse da atual democracia do Brasil.

Agora, devemos nos questionar: estamos sendo o melhor de José de Anchieta, ou o pior de Borba Gato? Sejamos, não importa se paulistas, sulistas ou nordestinos todos brasileiros.

Meu Partido é um Coração Partido

Tem gente que pensa que os partidos políticos não servem para nada. Alguns os hostilizam pois esperam que eles nos representem, e no entanto acreditam que estes representam interesses privados e não públicos.

Se é ruim com eles, pior sem eles, e isso tem nome: DITADURA!

Para quem não estudou, nosso país é uma República Federativa, cuja política é organizada por meio de uma Democracia Representativa. Se o sistema não está funcionando, é porque quem está nos representando, não está agindo de acordo com as vontades do povo.

Por isso é importante entender e fortalecer a figura de partido político, mas que tenha compromisso com o povo, e não com seus próprios interesses.

Ano que vem, tem eleições gerais no Brasil. Vamos continuar os protestos nas ruas, mas também nas urnas não devemos esquecer. Devemos escolher grupos políticos que de fato nos representam, priorizando não as personalidades que se candidatam, mas todo o contexto que os envolvem.

Se o povo soubesse que votando no Tiririca, iria eleger o Mensaleiro Valdemar da Costa Neto, jamais o povo votaria no pobre palhaço, que por sinal, surpreende no congresso com atuação destacada.

O momento é de ir às ruas para que os políticos saibam que eles são nossos representantes e devem governar este país em consonância com nossos interesses, sem hostilizar os partidos, mas aqueles que não representam o povo.

Pois quem odeia partido, rejeita o modelo democrático, e é contra a mudança por vias legais e éticas. Precisamos conter o extremismo e a ignorância pela deturpação dos fatos.

Em tempo: há pessoas que não estão entendendo o que acontecem e confusas, acabam defendendo o fascismo. Armamentismo, redução da maioridade penal, militarismo, defesa da família tradicional são pautas fascistas. Tomem muito cuidado, pois podem estar parafraseando Mussolini sem perceber.